1. implantação geral
2. vista do conjunto
3. planta baixa, ponte
4. elevação, ponte
5. vista, ponte
6. planta baixa, passarela
7. elevação, passarela
8. vista, passarela

PONTE E PASSARELA

Blumenal, Brasil / 2011 / Menção Honrosa / concurso público de arquitetura

 

Autores: Arq. Bruno Giugliani, Arq. Pablo Montero Merino

São raros os momentos onde realmente nos encontramos com a possibilidade de transformar a paisagem urbana. A cidade de Blumenau tem na construção da ponte e passarela uma oportunidade. Obras de arte desse porte trazem em si a oportunidade de reavaliar nossas ações em nível de planejamento territorial. Ampliação do traçado viário, incrementação da infra-estrutura, valorização imobiliária são alguns dos ganhos que se incorporam a ousadia do empreendimento. A própria imagem física do objeto, por sua escala, potencializa um protagonismo icônico, capaz de estabelecer-se como referencia na paisagem.

Este estudo teve o cuidado de ter em conta todas estas questões para só então buscar um desenho que atendesse a pretensão da cidade. Para ambas as obras optou-se pela eficiência estrutural do arco, distribuindo a carga para as margens e evitando apoios intermediários. Por outro lado encontramos no arco uma forma potente, capaz de assumir o protagonismo que deve ter um monumento.

A ponte contrapõe o peso da plataforma com uma inclinação de 20° do arco, trabalhando com o conceito de equilíbrio. Uma diretriz em curva permite uma maior harmonização das pistas de rolagem com o traçado viário, com influencia sobre todos os elementos. Uma serie ritmada de montantes acaba de reforçar a perspectiva da curva e enriquecer a percepção visual que temos ao cruzar de uma margem a outra. A estrutura de aço vence um vão de cerca de 150 metros levando de um lado a outro passeios públicos, ciclovia e vias urbanas e liberando qualquer elemento de ocupar uma cota inferior a 11m segundo orientação técnica do município.

A passarela, ainda que vencendo um vão maior, busca manter uma escala mais controlada, criando uma relação de hierarquia com a ponte. A forma do arco volta a aparecer nas grandes vigas treliçadas de aço, porém com bem menos intensidade. O espaço interior é bem definido, ajustando-se a menor escala. A passarela, da mesma forma que a ponte, trata de vencer não só o rio Itajaí-açu, mas a grande diferença de nível entre as margens de uma cidade com uma topografia marcante. Entretanto, sua inclinação não supera os 5%, ratificando a acessibilidade universal como agente de inclusão social. Sua estrutura se apóia suavemente sobre fundações de concreto armado, baixando seus banzos até encontrarem o terreno.  

Ambas as obras apresentam grande porte, ponte e passarela somam juntas, 3.550 e 1.450 toneladas, respectivamente.  Esperamos que essa proposta seja capaz de concretizar-se como oportunidade construída para Blumenau.